Agora Mulher

 

Confira a agenda de municípios desta segunda-feira (24):

 

Com o objetivo de despertar o interesse das mulheres paulistas para maior participação feminina na política e na sociedade, Marlene Campos Machado promove e apresenta uma série de encontros com moradores de Barretos, São Joaquim da Barra, Guará, Ituverava, Miguelópolis e Guaíra. Estudo inédito indica que 95,8% das mulheres que se candidataram em 2014 e 2016 não foram eleitas, mesmo representando 52% dos eleitores do País.

 

Uma das principais referências em análises sobre a participação da Mulher na Política, por meio do Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), Marlene coordenou todos os partidos políticosna campanha nacional por “Mais Mulheres no Política”, que obteve apoio massivo de parlamentares e pautou a PEC 98 no Senado Federal.

 

Precisamos combater a ideia de que a participação da mulher é setorial e voltada apenas para as mulheres. Hoje a mulher está em todos os setores da sociedade e deve ter voz ativa em todos eles. Precisamos falar de políticas públicas para todo o país, não apenas para o nosso seguimento ou região”, incentiva ao debate Marlene, presidente nacional do PTB Mulher - movimento que conta com mais de 550 mil filiadas no país.

 

Maior poder para os municípios

 

Cidades com menos de 20 mil habitantes, por exemplo, têm dificuldades para atrair empresas – impedindo uma maior arrecadação de impostos e geração de vagas de trabalho locais. A solução, segundo especialistas, é que essas cidades menores busquem maior representatividade no poder Legislativo Federal.

 

Mesmo nunca tendo ocupado um cargo público, Marlene Campos Machado – candidata a Deputada Federal pelo PTB-SP – conhece bem esses problemas. Ela é empresária e há mais de 20 anos tem uma atuação significativa em ações sociais pelo interior do Estado de São Paulo, promovendo iniciativas nas áreas da saúde, educação profissionalizante, pelo espaço das mulheres na política e defende em seus discursos a urgência da Reforma Tributária no País.

 

Participação feminina no Parlamento está abaixo da média mundial

 

O ranking sobre a presença feminina no Parlamento, organizado pelo Projeto Mulheres Inspiradoras, coordenado por Marlene, mostra que o Brasil está atualmente 28% abaixo da média mundial verificada no ano de 1990. 

 

Esse estudo, que utiliza dados do Banco Mundial, coloca o Brasil na 115ª posição entre 138 países e indica que 95,8% das mulheres que se candidataram em 2014 e 2016 não foram eleitas. Nas últimas eleições para vereadoras, a média percentual de candidatas com menos de dez votos nominais foi de 34,70%.

 

"Os partidos precisam deixar de enxergar a mulher apenas como uma cota. O sistema político precisa passar por uma reforma estrutural que favoreça a inserção de novas lideranças. E vamos continuar a levar informação e empoderamento feminino para atrair mulheres talentosas para nos representar na política”, reforça Marlene Campos Machado.

Facebook

Instagram