Candidata majoritária do PTB nas eleições para prefeitura na cidade de São Paulo fala sobre a necessidade da redução de horas trabalhadas para pagar impostos

 

A empresária e integrante da executiva nacional do PTB, Marlene Campos Machado comentou a intenção do governo federal de reduzir o número de horas trabalhadas para pagar impostos.

 

16797722 1275707062466218 5879823960485552032 o

 

Segundo Marlene, "é assustador pensar que destinamos mais de 2600 horas por ano do nosso trabalho (mais de quadro meses) apenas para sustentar o governo, ou seja, um tempo 7 vezes maior do que o destinado para tal nos demais países da América Latina em média ( 361 horas/ano, segundo World Bank)".

 

A redução de impostos e o aumento da eficiência na prestação dos serviços públicos foram defesas de Marlene antes mesmo de sua pré-candidatura a prefeita, conforme artigo dela publicado no jornal Gazeta do Povo (PR).

 

Ela completou ainda que “apesar de haver muitas outras coisas a serem corrigidas, medidas que reduzam o custo do governo para a sociedade podem ser um grande feito e melhorar a qualidade de vida de todos nós”.

 

Marlene também já concorreu ao Senado, em 2012, quando obteve mais de 330 mil votos, apesar de dispor de apenas 33 segundos de TV.

  

 

Confira o comentário na íntegra:

 

Nos últimos dias, o governo federal afirmou estar preocupado em resolver uma questão que alertei em larga escala ano passado: o número de horas que nós, brasileiros, trabalhamos só para pagar impostos. (Gazeta do Povo)

É um número assustador, são mais de 2600 horas por ano do nosso trabalho ( mais de 4 meses) destinados apenas para sustentar o governo, ou seja, um tempo 7 vezes maior do que o destinado para tal nos demais países da América Latina em média (361 horas/ano, segundo World Bank). Tudo isso causa um impacto grandioso em nossas vidas, sufocando empresas que teriam condições de gerar empregos (são mais de 12 milhões de desempregados). Sem contar que o retorno social desses impostos é muito baixo, já que os serviços públicos de qualidade, infelizmente, ainda são raridade.

 

Há mais coisas para corrigir, como reduzir a burocracia, aumentar a eficiência dos serviços públicos e o compromisso social de atender quem de fato precisa do governo, mas medidas a fim de reduzir o custo do governo para a sociedade se levadas a sério podem ser um grande feito e melhorar a qualidade de vida de todos nós. Falarei mais a esse respeito, mas para quem tiver interesse fiz um texto sobre o tema para Gazeta do Povo de Curitiba quando era, então, pré-candidata a prefeita de São Paulo: https://goo.gl/xZDPa3

 

Facebook

Instagram