Centenário do voto da Mulher: "nesse ritmo, parlamento britânico atinge igualdade de gênero em apenas oito anos", destaca PMI

 

Diretora-executiva do PMI, Marlene Campos Machado, comenta dados divulgados pela instituição no Ranking de Presença Feminina no Parlamento, a partir da base de dados do Banco Mundial.

 

image

 

Nesta terça, dia 6 de fevereiro de 2018, aniversário de 100 anos da instituição do Sufrágio Universal no Reino Unido, o Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI) calcula que o crescimento da participação feminina no Parlamento Britânico entre 1990 e 2016 foi, em média, de 12,13% ao ano, apontando que, nesse ritmo, e dada proporção de cadeiras já ocupadas por mulheres em UK (29%), o Estado Britânico demoraria apenas 106 meses ou cerca de oito anos para que 50% ou 325 cadeiras da Câmara baixa—equivalente à Câmara dos deputados no Brasil— fossem ocupadas por parlamentares do sexo feminino. Cenário esse completamente diferente da situação brasileira, cujos dados do PMI apontam igualdade de gênero apenas em 2080.

 

image 1

 

É preciso rememorar sempre a instituição sufrágio universal ou em todas as partes do mundo, porque há países como a Arábia Saudita, por exemplo, em que esse direito foi conquistado recentemente, apenas em 2015. Mas é preciso pensar que isso não é suficiente para aumentar a participação da mulher na política", afirma a diretora-executiva do PMI, Marlene Campos Machado, que analisa e acompanha temas relacionados às mulheres há cerca de 20 anos.

  

Marlene destaca que o fato de haver pouca diferença da idade de que se instituiu o voto feminino na Grã-Bretanha e no Brasil— que completa agora em fevereiro 86 anos em 2018— é um indício forte de que a subrepresentatividade feminina tem um forte componente estrutural, que começa nos partidos políticos.

 

"O caminho para verdadeira mudança nesse tema, antes mesmo de se pensar em mais candidatas ou cadeiras, está nos partidos. A representação feminina tenderá a crescer positivamente à medida que mais mulheres estiverem nas direções das legendas, uma vez que essas organizações são as responsáveis por determinar tempo de TV e recursos para os candidatas.

 

E completou: “é o momento das mulheres terem vida partidária e deixarem de ser vistas apenas como cotas".

 

A análise divulgada no Ranking de Presença Feminina no Parlamento, o Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), com a base de dados do Banco Mundial, apontou que o Reino Unido ocupa a 37º posição do Ranking e que a representatividade feminina em cadeiras é de 29,6%. Enquanto que o Brasil ocupa a 115º posição e abaixo das médias regional e mundial, com apenas 9,9% de mulheres na Câmara Federal. Neste ano, em março, o PMI lança Ranking de presença feminina no Executivo.

 

Confira o Ranking de Presença Feminina no Parlamento na íntegra: http://www.marlenecamposmachado.com.br/documentos/pequisa-presenca-feminina-no-parlamento.pdf

 

PMI - Projeto Mulheres Inspiradoras

É um Think Thank da Mulher, projeto apartidário e sem fins lucrativos que desenvolve eventos, palestras, divulga informações e produz análises sobre temas relativos ao empreendedorismo, participação feminina nos espaços de poder, motivação e superação.

Facebook

Instagram