Moção aprovada na 9º Sessão Ordinária destacou o trabalho de pesquisa realizado pelo Projeto Mulheres Inspiradoras

 

15419629_1207225635981028_7697554049199472984_o (1).jpg

A Câmara Municipal de São José do Rio Preto aprovou com unanimidade Requerimento nº 354/2017, do vereador Jorge Menezes, que parabeniza Marlene Campos Machado pela "excelente direção e desenvolvimento do Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI)".

Com ampla cobertura da grande mídia, o PMI, coordenado por Marlene, analisou a equidade de gênero em 138 países, chegando a conclusão de que, no atual ritmo de crescimento o Brasil terá 50% das cadeiras ocupadas por mulheres só em 2080 e produzindo o Ranking Nacional de Presença Feminina no Parlamento 2017 em que expõe a situação do país sobre o tema no cenário regional

Para a homenageada, que estuda assuntos voltados para o universo feminino há cerca de 20 anos, “é muito gratificante ver que uma casa de leis de tamanha importância, responsável por zelar pela qualidade e bem estar dos mais de 450 mil cidadãos rio-pretenses, esteja também compromissada em aumentar a participação feminina na política”.


A moção assinada pelo presidente da Câmara, vereador Cel Jean Charles ressalta a importância de projetos como o PMI que promovam análises e ciclos de palestras e destaca que as mulheres tem conquistado cada vez mais espaço.

 

Apresentação1.jpg



“A figura da mulher, de elemento secundário, passou a ser extremamente importante na sociedade atual, onde ela exerce cada vez mais o papel de protagonista”, registra o texto aprovado em 04 de abril de 2017.

Marlene completa que “o país tem muito a ganhar aumento da presença feminina nos espaços de poder e em funções públicas, porque, além de serem maioria da população, as mulheres, em geral, têm uma sensibilidade diferencial que está fortemente associada à vocação para áreas sociais”.

Estudo

 

Dividido em duas partes, Mundo e Nacional, o estudo expõe como o Brasil está em relação aos demais países, o quanto o país evoluiu na participação feminina no Parlamento, a influência das cotas ou cláusulas de gênero, como estão as regiões e estados do país no quesito candidatas, eleitas e não eleitas com zero ou poucos votos.

 

PMI analisou candidatas, eleitas e não eleitas aos cargos de senadora, deputadas federais, estaduais e distritais e vereadoras em 2014 e 2016, e criou o ranking por regiões nacionais, por estados e municípios e um ranking internacional analisando 138 países.

O estudo aponta ainda que mais de 40% das mulheres que se candidataram ao legislativo municipal nos estados da Bahia, Paraíba e Alagoas tiveram menos 10 votos nominais cada.


Confira aqui o estudo na íntegra: http://www.marlenecamposmachado.com.br/documentos/pequisa-presenca-feminina-no-parlamento.pdf

Facebook

Instagram